DIDA SAMPAIO/ESTADÃO (22/4/2020)
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO (22/4/2020)

Sob pressão, Braga Netto é aconselhado a adotar tom moderado em audiência na Câmara

Ministro da Defesa participará, nesta terça-feira, 17, de audiência pública de três comissões da Câmara dos Deputados para explicar recado enviado através de um interlocutor político para Arthur Lira

Marcelo de Moraes, O Estado de S.Paulo

16 de agosto de 2021 | 20h04

BRASÍLIA - Criticado por endossar as ameaças à democracia feitas pelo presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Defesa, general Walter Braga Netto, participará, nesta terça-feira, 17, de audiência pública de três comissões da Câmara dos Deputados justamente para explicar seu comportamento. No mais sério desses movimentos, o general mandou um recado, através de um interlocutor político, para o presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), ameaçando a realização das eleições se a PEC do Voto Impresso não fosse aprovada. A história foi revelada pelo Estadão. Por conta desse clima tenso, Braga Netto foi aconselhado por integrantes da ala política do governo a adotar um tom moderado na sessão, tentando baixar a temperatura da crise política.

Mesmo que aceite a sugestão, o general passará por um teste difícil, já que vai encontrar um clima bastante adverso dentro da Câmara. Por motivos parecidos, as comissões de Fiscalização Financeira e Controle, do Trabalho e de Relações Exteriores e de Defesa Nacional decidiram cobrar explicações do ministro sobre suas atitudes. E a pressão será grande na sessão, especialmente porque o general tem um papel institucional à frente das Forças e não deveria atuar politicamente.

"Não dá para haver momentos em que as Forças Armadas oscilam numa questão de respaldar essas bravatas do presidente, esses ataques à democracia, com outros momentos em que fica um pouco de dúvida. Então, isso precisa ficar esclarecido para a sociedade de uma vez por todas", afirma o deputado Elias Vaz (PSB-GO), autor de um dos requerimentos de convocação. 

"Porque, sinceramente, não dá para a gente ficar num clima desses em que todo o momento em que o Parlamento ou Judiciário contrariarem a posição do governo sempre vai sofrer ameaças. Isso não faz parte do processo democrático. E nós não vamos admitir esse tipo de coisa. Então, acima de tudo, o Parlamento tem de exercer o seu papel de cobrar a postura do pleno funcionamento da democracia brasileira. Ele não está tendo um comportamento adequado. Precisa ser questionado, precisa ser repudiado", acrescenta o deputado.

O deputado e ex-presidente da Câmara Arlindo Chinaglia (PT-SP) não acredita que Braga Netto adote uma postura beligerante durante a audiência. "Ele vai lá para atacar o Congresso? Ele vai dizer que nós somos abusivos?", dúvida o experiente deputado.

Para Chinaglia, a questão central será ouvir o que o general tem a dizer sobre a ameaça feita às eleições, caso o voto impresso não passasse - a proposta acabou sendo rejeitada pela Câmara na semana passada.

"Isso é a pedra de toque do depoimento de amanhã. Está na hora das Forças Armadas ou assumem que são golpistas ou defendem a Constituição. Inclusive, frente ao presidente da República, o que não está acontecendo", diz o deputado.

Nas últimas semanas, o ministro vem acumulando declarações e notas oficiais vistas como ataques à democracia. Na primeira, que motivou um dos chamados para falar na Câmara, o Ministério da Defesa soltou uma nota contra o presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM), afirmando que as Forças Armadas não admitiam "ataques levianos às instituições que defendem a democracia  e a liberdade do povo brasileiro". Na CPI, Aziz afirmara que há muitos anos o Brasil "não via membros do lado podre das Forças Armadas envolvidos com falcatrua dentro do governo". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.