Sob forte esquema de segurança, Lula chega a favelas do Rio

Presidente anuncia R$ 35,2 mi do PAC para urbanização das favelas do Complexo Cantagalo/Pavão-Pavãozinho

Adriana Chiarini, da Agência Estado,

30 de novembro de 2007 | 10h02

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou por volta das 9h40 desta sexta-feira, 30, à comunidade Cantagalo/Pavão-Pavãozinho, na zona sul do Rio de Janeiro, e está sendo saudado pela bateria da Escola de Samba Alegria da Zona Sul. Sob forte esquema de segurança, Lula vai falar das obras de urbanização na comunidade e anunciar os R$ 35,2 milhões do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para o Complexo Cantagalo/Pavão-Pavãozinho. O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, estará ao lado do presidente no momento do anúncio. Esta é a primeira vez que Lula vai subir um morro carioca controlado por traficantes de drogas. Além da equipe de segurança reforçada, incluindo homens das Forças Armadas, o tráfego e a permanência de veículos na rua de acesso à favela foi proibida desde a noite de quinta-feira, 29. A assessoria da Secretaria-Geral da Presidência, porém, nega que a mobilização seja por causa do tráfico. "A idéia não é ter segurança ostensiva. É lógico que vai ter mais gente, são mais quilômetros para serem resguardados, o comboio terá de subir mais devagar, com menos espaço para manobra", explicou a assessora Fátima do Carmo. "Mas não há tratamento diferenciado. Se ele chegar de transporte terrestre num shopping, na Fiesp ou no Cantagalo as medidas serão as mesmas." Segundo Fátima, o comboio é formado de quatro carros blindados e uma ambulância. Como são mais pesados e a rua de acesso à favela é estreita, optou-se por proibir o tráfego. "Não podemos correr o risco de um carro ficar estacionado num local de manobra", justificou. Euforia O clima na favela era de euforia na quinta-feira. "A comunidade dorme e acorda pensando nisso, afinal, é a primeira vez que um presidente sobe o morro", disse o presidente da Associação de Moradores, Marco Antonio da Silva. Cerca de 80 policiais vigiavam os acessos ao local. No fim do dia, a companhia de lixo Comlurb fez uma limpeza de entulho acumulado. Na solenidade, na sede do programa Criança Esperança, no alto do morro, Lula dará início às obras de urbanização da favela. O projeto do PAC terá investimento de R$ 35 milhões, sendo R$ 26,4 milhões da União e R$ 8,8 milhões do governo estadual. A urbanização prevê construção de redes de água e esgoto e de uma creche comunitária, pavimentação da via de acesso, remoção de moradias em áreas de risco e regularização fundiária, através da cessão do direito real de uso (CDRU) por 99 anos. Será construído, ainda, um elevador ligando a Rua Teixeira de Melo, próxima à futura estação do metrô de Ipanema, e o alto do Cantagalo. Compromissos Após a visita à favela, a comitiva irá de carro para a inauguração da Central do Programa Nacional de Rastreamento de Embarcações Pesqueiras. Com investimento de R$ 1 milhão, a central permitirá monitorar 1.300 embarcações em tempo real. Depois Lula, Cabral e o comando da Marinha visitarão o navio-escola Cisne Branco. À tarde, em Niterói, o presidente estará presente na assinatura de contrato da Braspetro com o Estaleiro Mauá para construção de quatro navios petroleiros, no valor de R$ 277 milhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.