Sob ameaça de prisão, presidente do Sinapro suspende ato

O presidente do Sindicato Nacional de Produtores Rurais (Sinapro), Narciso da Rocha Clara, não apareceu hoje em Curitiba para a prometida mobilização de produtores rurais contra o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) e o alegado não cumprimento de reintegrações de posse pelo governo do Paraná. "Se tivesse vindo seria preso", disse pela manhã o delegado do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope), Luiz Carlos de Oliveira, que instaurou inquérito para apurar as atividades do Sinapro e seu presidente no Estado.Ontem à tarde, o juiz Marcelo Ferreira, da Central de Inquéritos de Curitiba, negou o pedido de prisão preventiva. O delegado tinha argumentado que Clara teria se ausentado da comarca de Carapicuíba (SP), onde está em liberdade provisória desde o dia 9 de junho, sem prévia comunicação à Justiça. O delegado entendia ainda que, em suas declarações, o presidente do Sinapro tem incitado as pessoas à violência, além de argumentar que "ninguém tem o direito de afrontar o governador". Ontem, Clara disse que o governador Roberto Requião (PMDB) seria "comparsa" do MST em ilegalidades.Clara não foi encontrado hoje, apesar de diversos recados deixados nas secretárias eletrônicas nos números de telefone fornecidos por ele. A informação do Sinapro era de que a manifestação em Curitiba teria sido apenas adiada. O sindicato tinha entrado com um pedido de habeas-corpus preventivo no Tribunal de Justiça, para garantir sua presença no Estado sem correr o risco de prisão.AraupelA ouvidora agrária adjunta Maria de Oliveira conversou com os sem-terra que invadiram uma área da empresa de papel e celulose Araupel, em Quedas do Iguaçu, no oeste do Paraná. Os sem-terra apresentaram algumas reivindicações, entre elas a compra ou desapropriação de toda a área de agricultura da empresa, que somaria cerca de 6,5 mil hectares. Eles também pedem insumos para o cultivo da atual safra, além de infra-estrutura para o acampamento, como alimentação, escola itinerante e atendimento à saúde.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.