Só Lula e Olívio Dutra escaparam de problemas à frente do partido

Dos sete presidentes do PT, três são réus no escândalo do mensalão e Berzoini foi acusado de comandar os aloprados

João Domingos, de O Estado de S.Paulo,

24 de abril de 2011 | 23h00

Ser presidente do PT, o partido que há nove anos comanda o País e que tem a maior bancada da Câmara, é uma aposta que tem se revelado perigosa. Não dá para falar em maldição do cargo, porque a palavra não se enquadra bem na política, uma atividade que vive das circunstâncias do momento e da força de que dispõem seus líderes. Mas as estatísticas são desfavoráveis aos dirigentes petistas.

 

Desde que o partido foi fundado, em fevereiro de 1980, foram sete presidentes efetivos e dois interinos. Dos sete efetivos, só Luiz Inácio Lula da Silva, que mantém o título de presidente de honra do partido, e Olívio Dutra não tiveram algum tipo de problema. Mesmo assim, Olívio Dutra hoje vive no ostracismo.

 

Dos outros cinco presidentes do PT, três são réus no escândalo do mensalão (leia ao lado). Ricardo Berzoini chegou a ser responsabilizado pelo comando dos "aloprados", que tentaram comprar um dossiê antitucano, na eleição de 2006, e José Eduardo Dutra, o atual, passa por problemas de saúde.

 

Quinze correntes. Nos seus 31 anos, o PT teve ainda dois presidentes interinos, que assumiram a direção da legenda na esteira de escândalos que afastaram os titulares. Em 2005, então na Presidência da República, Lula tirou Tarso Genro do Ministério da Educação para substituir José Genoino, abatido pelo escândalo do mensalão.

 

No ano seguinte, Marco Aurélio Garcia deixou por três meses a assessoria especial internacional do governo para ocupar o lugar de Berzoini, suspeito de envolvimento com os aloprados. Berzoini voltou ao comando da legenda em janeiro de 2007 e lá permaneceu até fevereiro de 2010. Hoje, no governo de Dilma Rousseff, Marco Aurélio não tem mais a influência que exerceu durante o governo de Lula e há informações de que ele anda meio descontente com isso.

 

"Ser presidente do PT exige dedicação de 24 horas por dia, sete dias por semana, 365 dias por ano. O presidente do PT tem uma agenda anormal, pesada, que o impede de descansar, de ter cuidados com a saúde, de ver a mulher, os filhos, os amigos", disse Berzoini ao Estado.

 

‘Um erro’. O ex-deputado e ex-ministro Olívio Dutra considera que o PT errou ao abrir demais o leque de alianças com outros partidos. Ele mesmo se sente vítima do processo, porque durante o governo de Lula foi tirado do Ministério das Cidades para dar lugar ao PP, na composição de forças de auxílio a Lula no Congresso.

 

"Entendo que foi um erro, embora não vá discutir nunca a decisão do presidente de aumentar sua base. Mas entendo que tínhamos um projeto próprio para as cidades que acabou não sendo posto em prática", lamenta.

 

Mais ideológico e menos pragmático do que seus sucessores, Olívio Dutra disse que o presidente do PT tem de falar em nome do coletivo e não do que ele pensa. "Tem de trabalhar intensamente para preservar a densidade e a unidade do partido. Esse é o destino dele".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.