Rosinei Coutinho/SCO/STF
Rosinei Coutinho/SCO/STF

Só 2,7% de valor repassado foi para caixa 2

No total, a Procuradoria-Geral da República classificou R$ 12,4 milhões recursos não declarados pelos políticos à Justiça Eleitoral

DANIEL BRAMATTI, MARCELO GODOY e RICARDO GALHARDO, O Estado de S.Paulo

13 de abril de 2017 | 05h00

Os recursos de caixa 2 em campanhas eleitorais representam apenas 2,76% do total de dinheiro pago, segundo os delatores da Odebrecht, nos crimes investigados pelo Supremo Tribunal Federal (STF). No total, a Procuradoria-Geral da República classificou R$ 12,4 milhões recursos não declarados pelos políticos à Justiça Eleitoral.

O ministro Edson Fachin determinou a abertura de 76 inquéritos para investigar os crimes de caixa 2, de corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro e fraude em licitação envolvendo quase uma centenas de investigados. Desses, 26 casos (34%) envolvem caixa 2, segundo a Procuradoria. Outros dez envolvem supostas propinas disfarçadas de doações eleitorais – ao todo, R$ 43,8 milhões teriam sido pagos dessa forma.

Partidos. O partido que mais recebeu recursos supostamente ilegais da Odebrecht foi o PT, com R$ 204,9 milhões. Aqui entraram o dinheiro que os delatores da Odebrecht disseram que entregaram às campanhas eleitorais de Dilma Rousseff, para parlamentares do partido em troca da aprovação de medidas provisórias de interesse do grupo e as doações feitas por meio de caixa 2 para deputados.

O PMDB ocupa o segundo lugar desse ranking, com R$ 111,7 milhões. O dinheiro do PMDB está concentrado, de acordo com os delatores, em propinas pagas para a garantia de contratos e obras para a aprovação de medidas no Congresso que eram do interesse da Odebrecht. Quem aparece logo depois dos peemedebistas são os tucanos. O PSDB supostamente recebeu recursos que chegaram a R$ 52,2 milhões. A maior parte deles – contaram os delatores – está relacionada a obras viárias do governo de São Paulo, comandado pela sigla desde 1995.

Integrantes do PP e do PSD teriam recebido cada um R$ 20 milhões. No caso do PSD, os recursos foram quase que exclusivamente recebidos pelo ministro Gilberto Kassab (Ciência, Tecnologia e Comunicações). Os recursos que a empresa informou ter entregue a Kassab estariam relacionados a obras viárias na cidade de São Paulo e a negócios no Ministério das Cidades, que Kassab ocupou durante o governo de Dilma. Os dois partidos que menos receberam dinheiro foram o PPS e o PTB, cada um com R$ 200 mil.

Políticos. Quando a análise dos inquéritos do STF leva em consideração os valores relacionados a políticos, o senador José Serra (PSDB-SP) é quem aparece como o maior beneficiário dos pagamentos, com R$ 35,7 milhões. Logo depois, vem o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega, com R$ 22 milhões. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.