Só 10% dos americanos ouviram falar no Lula, mostra pesquisa

De acordo com levantamento do Instituto Zogby, os americanos sabem muito pouco da América Latina

Patrícia Campos Mello, do Estadão,

13 de agosto de 2007 | 17h56

Apenas 10% dos americanos já ouviram falar no presidente Luiz Inácio Lula da Silva, segundo uma pesquisa divulgada nesta segunda-feira, 13, pelo Instituto Zogby. De acordo com o levantamento, os americanos sabem muito pouco da América Latina - apesar da grande imigração mexicana, só 20% sabem quem é o presidente do México, Felipe Calderón. O Zogby entrevistou 7.361 americanos entre 27 e 30 de julho.  Na América Latina, o México é visto como o maior aliado dos EUA, seguido de perto pelo Brasil. A Costa Rica vem em terceiro lugar. Os maiores inimigos dos EUA são Venezuela e Cuba, na opinião dos entrevistados.  Curiosamente, a Colômbia está em terceiro lugar na listas dos países menos amigáveis - os colombianos estão entre os maiores aliados dos EUA na região. O governo George W. Bush já destinou mais de US$ 500 milhões para a Colômbia no plano de combate ao tráfico de drogas e o país normalmente se alinha com as posições dos EUA. "A pesquisa mostra que os americanos estão muito mal informados sobre a região", disse Peter Hakim, presidente do Diálogo Inter-Americano.  Segundo o levantamento, os americanos estão preocupados com a influência chinesa na América Latina - 56% dos entrevistados afirmaram acreditar que o aumento do envolvimento chinês na região ameaça os interesses americanos.  "Há um enorme descompasso entre realidade e percepção - embora esteja crescendo, o envolvimento da China na América Latina não pode nem ser comparado com o relacionamento comercial, político e social da região com os EUA e a Europa." A pesquisa também mostra que 58% dos americanos acredita ser hora de os EUA começarem a negociar com Raul Castro, irmão de Fidel, e 56% afirmam que o embargo econômico contra a região deveria acabar.

Tudo o que sabemos sobre:
LulaInstituto Zogby

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.