Skaf diz que, se vencer, Meirelles será secretário

O candidato do PMDB ao governo do Estado de São Paulo, Paulo Skaf, agradeceu, nesta segunda-feira, 30, o apoio e confiança do PSD em se aliar à sua candidatura rumo ao Palácio dos Bandeirantes. "A família cresceu, hoje PSD, Pros, PDT e PMDB são uma só família com objetivo de transformar o Estado de São Paulo numa referência internacional. Obrigada pelo voto de confiança e coligação", disse o presidente licenciado da Fiesp.

ELIZABETH LOPES E RICARDO CHAPOLA, Agência Estado

30 Junho 2014 | 13h49

Em sua fala, Skaf usou o mote do discurso do ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles, que justificou não ter aceitado disputar o Senado na chapa peemedebista no Estado por ter mais perfil para cargos executivos, para convidá-lo a assumir a Secretaria da Fazenda de São Paulo, caso seja eleito em outubro.

"Meirelles será secretário da Fazenda de São Paulo (se vencer pleito), já estou anunciando o meu primeiro e importante cargo para o governo de São Paulo", destacou o presidente licenciado da Fiesp. Meirelles, que estava no palco da convenção, ao lado de Skaf, balançou afirmativamente a cabeça, dizendo que aceita o desafio, caso o peemedebista seja eleito em outubro.

Segundo Skaf, o que São Paulo precisa é de uma gestão mais eficiente. "Não adianta ter estrutura se as pessoas não são bem atendidas." E disse que o orçamento de São Paulo (na casa dos R$ 40 bilhões) precisa ser gerido com competência e eficiência. "O que falta não é dinheiro, é realizar as coisas", reiterou.

E disse que o nome do ex-prefeito Gilberto Kassab, presidente nacional do PSD, ao Senado Federal em sua chapa majoritária é muito bem-vindo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.