Situação no manicômio de Salvador é de calamidade

O Ministério da Saúde ameaçou hoje intervir no Manicômio Judiciário de Salvador, onde 18 internos morreram este ano. Segundo denúncia do Conselho Regional de Medicina da Bahia (Cremeb), o local tem superlotação, não fornece assistência médica adequada, está com as instalações degradas e sem higiene. O coordenador de saúde mental do ministério, Pedro Delgado, disse que a situação do manicômio de Salvador é a mais grave de todo o Brasil.O diretor do manicômio, Paulo Barreto admitiu a necessidade de uma ação "eficaz, rápida e bem planejada" e disse isso não foi feito até agora por causa da "burocracia" do Estado. Para o Cremeb, as medidas necessárias de curtíssimo prazo seriam a compra de medicamentos, contratação de pessoal especializado para tratar os doentes e a transferência dos internos.A promotora de Justiça e Cidadania Cristina Seixas Graça, que visitou o local, ficou perplexa com a situação e disse estar reunindo provas para mover uma ação pública contra o Estado por causa das mortes no manicômio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.