Situação em Teresópolis é uma 'tragédia', diz Minc

Secretário do Ambiente do Rio prevê que número de mortos na cidade ultrapasse cem e cita 'negligência'.

BBC Brasil, BBC

12 de janeiro de 2011 | 15h33

A cidade de Teresópolis, na região serrana do Rio de Janeiro, vive uma "tragédia" devido às chuvas que começaram na tarde de terça-feira, diz o secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc, que visitou a cidade nesta quarta-feira.  

 

Veja também:

linkDezenas de mortos na Região Serrana; Rio pede ajuda à Marinha

linkGoverno federal se compremete a ajudar o Rio, diz senador fluminense

linkRio pede doação de sangue para vítimas das chuvas

linkFamília reforma casa para ser única moradora do Morro do Bumba

 

"A situação é muito delicada, uma tragédia. Muita gente morreu dormindo", disse Minc por telefone à BBC Brasil, de Petrópolis, para onde seguiu após visitar Teresópolis.

Ele diz que o número de mortos pelas chuvas em Teresópolis deve passar de cem.O dado ainda não foi confirmado pela Defesa Civil estadual.

Segundo o secretário, há cerca de mil desabrigados em Teresópolis, e o socorro começa a chegar às áreas de risco, "com alguma dificuldade". "Mas já identificamos 1,5 mil áreas que podem receber (os desabrigados)", afirmou Minc.

Ele criticou "a irresponsabilidade de prefeitos anteriores", que, a seu ver "estimularam a ocupação irregular de encostas" que desabaram com as chuvas.

Marinha. O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, pediu nesta quarta-feira ajuda à Marinha para levar mais bombeiros e equipamentos às regiões afetadas pelas chuvas.

Os municípios mais atingidos estão na região serrana do Estado. Segundo balanço parcial da Defesa Civil divulgado às 14h30 (hora de Brasília), há pelo menos 27 mortos em decorrência das enchentes.

Além das vítimas em Teresópolis, foram contabilizadas seis mortes em Petrópolis, três em Itaipava e sete em Nova Friburgo. Nesta última, entre os mortos pela tragédia estão três bombeiros, e há um bombeiro soterrado que, até o momento, não foi localizado.

São Paulo. Em São Paulo, as inundações e os deslizamentos haviam deixado pelo menos 13 mortos nos últimos dois dias.

Os óbitos ocorreram na capital, em Mauá, em Embu e em São José dos Campos.

Municípios paulistas como Guarulhos, Guararema, Franco da Rocha e Osasco também sofreram alagamentos, mas os balanços mais recentes da Defesa Civil estadual dizem que não houve até o momento vítimas fatais.

O Palácio do Planalto informou que a presidente Dilma Rousseff ligou para Cabral e para o governador paulista, Geraldo Alckmin, e o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, para "colocar à disposição as estruturas do Ministério do Interior, da Defesa Civil federal e do Ministério da Saúde no atendimento às vítimas".

Nesta quarta, o ministro da Integração, Fernando Bezerra, deve sobrevoar as áreas devastadas pelas chuvas no Rio.   BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.