Situação de contas públicas limitará reajuste do mínimo

O líder do governo no Senado, Aloizio Mercadante (PT-SP), afirmou hoje o ajuste fiscal será o limitador natural do reajuste do salário mínimo. Segundo ele, o governo pretende anunciar a "melhor proposta possível" para o valor do novo mínimo, tendo sempre como balisador a situação das contas públicas, já que o reajuste gera impactos diretos nas contas públicas, principalmente nas contas da Previdência Social."Todo esforço é para dar o melhor (aumento) possível. Para que seja o maior que as contas públicas possam suportar", disse o senador, ao chegar no Ministério da Fazenda, onde será recebido pelo ministro Antonio Palocci para discutir a nova lei de falências."O salário mínimo é uma referência básica do mercado de trabalho. Seu aumento eleva toda a massa salarial", disse o senador, insistindo mais uma vez que um dos efeitos diretos desse movimento é sobre as contas públicas.Ao ser questionando se seria possível elevar o salário mínimo para algo próximo de R$ 300,00, Mercadante foi taxativo: "dá para chegar onde as contas públicas permitirem". Segundo ele, a data de divulgação do novo salário mínimo será definida pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.