Evarista Sá|Estadão
Evarista Sá|Estadão

Situação da popularidade do governo é muito crítica, diz presidente da CNT

Avaliação positiva caiu de 14,6% para 10,3% e, a negativa, subiu de 36,7% para 44,1%

Erich Decat, O Estado de S.Paulo

15 de fevereiro de 2017 | 12h36

BRASÍLIA - Diante dos últimos dados sobre os índices de popularidade do governo Temer, o presidente da Confederação Nacional do Transporte (CNT), Clésio de Andrade, considerou o momento atual como “crítico”.

“A situação envolvendo a popularidade é muito crítica. Mas por outro lado, tem uma base política muito forte (no Congresso Nacional). Provavelmente, essa é a questão que mais sustenta o governo, o que poderá ajudar nas reformas”, ressaltou Andrade após a divulgação da última pesquisa CNT/MDA, nesta quarta-feira, 15.

De acordo com o levantamento, a avaliação positiva do governo Temer apresentou queda nos últimos quatro meses e foi para 10,3%. Dados anteriores divulgados em outubro do ano passado apontava uma avaliação positiva de 14,6%. O índice da avaliação negativa do governo também registrou aumento chegando a 44,1% ante 36,7% do final do ano passado.

Em relação à avaliação do desempenho pessoal de Temer, também foi registrado uma queda de 31,7% para 24,4%. Já o número de pessoas que desaprovam desempenho pessoal de Temer subiu de 51,4% para 62,4%.

Corrupção. Os entrevistados também foram questionados sobre a percepção da ocorrência de casos de corrupção no governo Temer em comparação com o governo de Dilma Rousseff

Para 48,8% o nível de corrupção é igual nos dois governo. Já 31,5% consideram que havia mais corrupção no governo da petista e 16,1% consideram que o governo Temer é mais corrupto.

Quase que a totalidade dos entrevistado (91%) não acredita haver algum partido político livre de corrupção. De acordo com o levantamento, 89,3% conhece ou já ouviu falar sobre a Operação Lava Jato.

Expectativas. Na realização do levantamento, os entrevistados também foram perguntados sobre as perspectivas para os próximos seis meses em relação ao emprego, renda mensal, saúde, educação e segurança pública. À execeção da segurança pública, a maioria dos entrevistados consideram que o cenário irá permanecer igual.

A pesquisa foi realizada entre os dias 8 a 11 de fevereiro. Foram ouvidas 2.002 pessoas, em 138 municípios de 25 unidades federativas, das cinco regiões. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais com 95% de nível de confiança.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.