Sites oficiais divulgam texto censurado de Lula sobre Marta

A censura que o governo impôs ao discurso em que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu votos para a reeleição de Marta Suplicy foi inútil. A fala só foi mutilada na página do Palácio do Planalto na internet. No portal da Agência Brasil, que pertence à estatal Radiobrás, o discurso pode ser lido na íntegra. Basta acessar www.radiobras.gov.br e clicar em cima da expressão "discursos".Na entrevista aos jornalistas de emissoras de rádio, hoje de manhã, o presidente reconheceu que errou ao fazer o pedido de apoio e prometeu não repetir o erro. Disse que a censura à sua fala tinha sido decidida para evitar especulações políticas. Mas, com a censura, só as aumentou. E, agora, em dois portais de um mesmo governo, há dois discurso. Um, submetido à violência da censura e o outro não.O episódio deixou claro que, desde a tarde do sábado, quando Lula fez o discurso em São Paulo, os auxiliares do presidente divergiram a respeito de seu significado político e jurídico. Num primeiro momento, o Planalto divulgou o discurso na íntegra. Diante das críticas, e das suspeitas de transgressão de normas eleitorais, o texto foi simplesmente retirado do site. Voltou, mais tarde, mas sem o último parágrafo - exatamente aquele em que Lula pede votos para a prefeita. O trecho censurado era a última mensagem do presidente à platéia. Ele desfiou uma série de elogios à administração de Marta. E completou com estas palavras, que foram expurgadas: É por isso que nós temos a obrigação política de levantar a cabeça com muito orgulho e dizer aos companheiros e às companheiras de São Paulo inteira, que se as pessoas querem continuar tendo progresso nas políticas sociais não têm outro jeito, dia 3 de outubro é votar na Marta Suplicy para continuar administrando São Paulo. Muito obrigado, gente."Nota da Redação - Esta matéria foi modificada para correção de erro de informação. Diferente do que foi publicado, o portal da Agência Brasil não editou o texto do presidente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.