Reprodução
Reprodução

Sites estrangeiros repercutem cancelamento de viagem de Dilma

The New York Times, El País, Clarín e Le Monde, já repercutiam a decisão logo após anúncio por parte do Palácio do Planalto

Allan Nascimento, Especial para O Estado de S. Paulo

17 de setembro de 2013 | 19h40

Logo após a confirmação do cancelamento da viagem oficial da presidente Dilma Rousseff aos Estados Unidos para encontro com o presidente Barack Obama, alguns dos principais portais de notícias estrangeiros, como The New York Times, El País, Clarín e Le Monde, já repercutiam a decisão.

O jornal norte-americano The Huffington Post deu destaque à decisão de Dilma e perguntava aos leitores, na manchete da editoria de internacional: "Adivinha quem não vem para o jantar?"

O portal do jornal argentino Clarín disse que a decisão foi uma forma de protesto de Dilma após as revelações de que os e-mails da presidente eram espionados pelo governo americano.

No Twitter, o jornal espanhol El País comentou que a presidente Dilma está indignada por conta da espionagem. A matéria diz que ela cancelou o encontro por estar inconformada com as explicações dadas pelo presidente Barack Obama sobre os recentes casos de espionagem. A reportagem afirma que a decisão foi uma forma de “manifestar seu desagrado pela espionagem eletrônica”.

O The New York Times citou o anúncio da Casa Branca de que as atividades do serviço de inteligência estão sendo revistas e que o encontro entre os dois líderes vai acontecer após resolução dos casos de espionagem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.