Márcio Fernandes/Estadão
Márcio Fernandes/Estadão

Site do PT acusa Marina de copiar programa de Lula

Texto publicado no Muda Mais chama Marina de "candidata ctrl C + ctrl V", expressão usada para designar que algo foi copiado e colado

RICARDO BRITO, Estadão Conteúdo

05 Setembro 2014 | 15h54

Um site do PT acusou nesta sexta-feira, 5, o programa de governo de Marina Silva (PSB) de copiar um trecho da plataforma de reeleição de Lula. O texto, publicado na página Muda Mais, criado pelo partido para defender um novo mandato da presidente Dilma Rousseff, chama Marina de "candidata ctrl C + ctrl V", expressão usada na informática para designar que algo foi copiado e colado.

Na quinta-feira, 4, o mesmo site já havia divulgado que o programa da candidata do PSB para a área de energia era plágio de um artigo publicado em 2011 pela Revista USP (Universidade de São Paulo). Nesta sexta faz uma semana que o plano de Marina foi apresentado com estardalhaço. Desde então, contudo, o texto já foi alvo de "duas erratas" da própria campanha e alvo de críticas de petistas e tucanos.

O texto ironiza a adversária de Dilma ao dizer que "as ideias de Lula são tão boas que todo mundo quer para si". "Mas tem que citar a fonte, né? Desta vez, quem deu um copia e cola foi (de novo!) a candidata Marina Silva, que copiou, em seu programa de governo, um trecho com propostas para a saúde do programa de reeleição do ex-presidente Lula, lançado em 2006."

A nota diz que foram dois trechos plagiados. Em um deles, no de Marina, está escrito: "Apoiar Estados e municípios na criação das Centrais de Regulação, garantindo o acesso dos cidadãos, de forma mais rápida e humanizada, à rede hierarquizada de atenção integral à saúde." No de Lula consta: "Apoiar Estados e municípios na criação das Centrais de Regulação, garantindo o acesso dos cidadãos, de forma mais rápida e humanizada, à rede hierarquizada de atenção integral à saúde".

Assim como no texto publicado nesta sexta, o artigo lembra que Marina sempre declara em todas as oportunidades "ter construído o seu programa de governo num diálogo com a sociedade, movimentos sociais e especialistas". Mas, diz, já lançou duas erratas e voltou atrás em propostas cruciais para a sociedade brasileira - por sofrer pressões externas - nos capítulos que tratavam de energia nuclear e direitos LGBT.

"E agora surgem as denúncias de plágio. A pergunta que fica, mais uma vez, é: como Marina pretende colocar em prática o discurso da ''nova política'' lançando mão de velhos hábitos? As propostas podem ser boas. Mas quem se fundamenta em um discurso de diferença, de negação da própria política, de ética na política, deveria minimamente deixar bem claro aos eleitores quais são de fato as suas propostas e de onde elas vêm? Ou não?", questiona o texto do site.

Mais conteúdo sobre:
ELEIÇÕESPTMARINA SILVALULA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.