Sistema do INSS opera com 70% da capacidade, admite Dataprev

O presidente da Dataprev, empresa de tecnologia e processamento de dados da Previdência Social, José Jairo Ferreira Cabral, admitiu hoje que o sistema que permite o acesso e o funcionamento dos postos do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) está operando com apenas 70% da sua capacidade. "Estamos empenhados em arrumar a situação o mais depressa possível", garantiu. De acordo com Cabral o funcionamento deve voltar ao normal dentro de três a cinco dias.O presidente da Dataprev foi convocado à Brasília pelo ministro da Previdência Social, Amir Lando. Ele veio acompanhado de toda a sua diretoria para explicar ao ministro as causas das freqüentes falhas e panes, que vêm prejudicando o atendimento ao público deste o início do mês. Na conversa com Amir Lando e depois, na entrevista à imprensa, ficou claro que o ministério e a empresa não se entendem, principalmente quando o assunto é dinheiro para investimento.Pelos dados fornecidos pelo Ministério com base no Sistema de Administração Financeira (Siafi) a Dataprev já recebeu, este ano, R$ 296,075 milhões de um total de R$ 360,4 milhões previstos no orçamento. "Os pagamentos estão em dia", disse Lando, que admitiu que existe um atrasado antigo. A posição do ministro é contestada pela Dataprev que alega que deveria receber, todo mês, cerca de R$ 33 milhões, mas que só nos últimos dois meses o fluxo de recursos tem se situado próximo desse valor.Técnicos do ministério também argumentam que foi uma decisão da própria empresa investir apenas R$ 4,9 milhões em tecnologia, quando deveria ter investido R$ 35 milhões. A Dataprev alega que não pode investir esse montante porque está tendo que colocar em dia o pagamento atrasado, devido a diversos fornecedores que, inclusive, ameaçavam não trabalhar mais com a empresa. "Estávamos com quatro meses de atraso e agora estamos com dois", assegurou Jairo Cabral.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.