Sistema de cotas da UFSC é questionado também no Supremo

Ação pede que justiça proíba universidade de favorecer estudantes negros ou egressos do ensino público

Felipe Recondo, de O Estado de S. Paulo,

25 Janeiro 2008 | 17h20

Uma nova ação (um mandado de segurança, com pedido de liminar), desta vez ajuizada pelo Sindicato das Escolas Particulares de Santa Catarina (Sinepe) no Supremo Tribunal Federal (STF), questiona o sistema de cotas para negros e estudantes de escolas públicas. No final da semana passada, o Ministério Público conseguiu, na Justiça de primeira instância, liminar suspendendo o sistema de cotas na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Veja também:Estudante ganha ação contra sistema de cotas na UFPR  Na ação apresentada ao STF, os dirigentes do Sinepe argumentam que a reserva de vagas no vestibular da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) é inconstitucional e viola o artigo da Constituição que prevê a igualdade: "A preferência às vagas no ensino superior gratuito (...) viola a ordem constitucional e, depois, penaliza os alunos egressos do ensino privado", afirma o texto. "Os alunos egressos do ensino privado, que se obrigam ao pagamento do preço pela ausência de vaga no ensino público básico, têm seu acesso à educação gratuita de nível superior preterida", continuam os dirigentes sindicais. No mandado de segurança, o Sinepe pede que o Supremo suspenda o sistema de cotas e proíba a UFSC de distribuir vagas para estudantes egressos do ensino público ou negros. "A Constituição da República assegura a igualdade de acesso à educação e condena a instituição de preferência entre os brasileiros", argumentam na ação. Na liminar emitida pela Justiça de primeira instância a favor do Ministério Público, no final da semana passada, o juiz federal-substituto Gustavo Dias Barcellos suspendeu o sistema de cotas argumentando que a direção da universidade não tem autonomia para decidir quem ocupará as vagas. Por isso, o juiz determinou que as vagas fossem ocupadas por estudantes aprovados no vestibular, por ordem de classificação. Com isso, Barcelos suspendeu o Programa de Ações Afirmativas adotado pela universidade, que prevê a concessão de 20% das vagas para alunos egressos das escolas públicas e 10% para negros. Decisão semelhante, em liminar, já havia beneficiado o Sinepe, mas depois foi cassada pelo Tribunal Regional Federal da 4ªRegião, em Porto Alegre (RS), a pedido da universidade. Os advogados do sindicato dizem acreditar que esse será o mesmo destino da liminar dada em favor do Ministério Público ou seja, que será cassada quando a UFSC recorrer da decisão. Por isso, decidiram acionar o Supremo contra o sistema de cotas. O pedido de liminar pode ser analisado nos próximos dias pela presidente do Supremo, ministra Ellen Gracie.

Mais conteúdo sobre:
UFSCcotasnegros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.