André Dusek/AE
André Dusek/AE

'Sinto-me injustiçado', diz Protógenes sobre afastamento da PF

Delegado da Satiagraha foi afastado por tempo indeterminado; PF quer apurar participação em comício eleitoral

Anne Warth, da Agência Estado,

15 de abril de 2009 | 13h00

Mentor da Operação Satiagraha, o delegado Protógenes Queiroz disse nesta quarta-feira, 15, que o afastamento de suas funções na Polícia Federal foi uma injustiça. Em mensagem publicada em seu blog, Protógenes afirmou que o trabalho de juízes, procuradores e delegados foi colocado sob suspeita, enquanto que o alvo da Operação Satiagraha, o sócio-fundador do Grupo Opportunity, Daniel Dantas, supostamente envolvido em um esquema de lavagem de dinheiro, evasão de divisas e crimes financeiros, não recebe mais atenção.

 

Veja também:

especialPerfil: Quem é o delegado Protógenes Queiroz

especialAs versões de Protógenes

especialEntenda a Operação Satiagraha

especialAs prisões de Daniel Dantas

especialOs alvos da Operação Satiagraha 

 

"Sinto-me injustiçado pela inversão de papeis que vem ocorrendo no cotidiano, o que leva a crer que haja, de fato, uma intenção de desmoralização da autoridade policial judiciária. Não só a mim, mas também a outros policiais e autoridades da Satiagraha", afirmou.

 

"Considero que o trabalho de juízes federais, procuradores da República e delegados federais é colocado sob suspeição, enquanto o foco principal, o crime perpetrado pelos investigados do colarinho branco, desaparece das atenções", destacou no blog.

 

Protógenes foi afastado das atividades da PF por tempo indeterminado no dia 9 de abril. A PF abriu um processo disciplinar para investigar sua participação em um comício político ocorrido no ano passado em Poços de Caldas (MG), no qual ele teria discursado em nome da instituição.

 

A participação em atividades político-partidárias é vedada aos servidores da PF e o processo pode culminar na exoneração do delegado. No ano passado, Protógenes foi afastado das investigações da Operação Satiagraha após acusar a direção da PF de boicote.

 

Em seu blog, o delegado sugeriu que seu afastamento é mais uma atitude favorável a Dantas e citou uma coincidência de datas - a decisão final sobre seu processo disciplinar sairá no dia 8 de julho, exatamente um ano depois da deflagração da Satiagraha e da primeira prisão de Dantas. "Desta forma entendo ser uma mensagem direta da organização criminosa, chefiada pelo banqueiro condenado, espalhados no aparato estatal", acusou.

 

Protógenes declara ainda que seu único consolo é saber que tem o apoio da população brasileira. "Meu alento é saber que a população brasileira não compartilha dessa perseguição sistemática e desenfreada contra minha pessoa", disse. "É por intermédio da minha fé cristã e com esse imenso apoio popular que diariamente renovo minhas forças contra toda injustiça."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.