Singer e Rebelo divergem sobre data de decisão para bingos

A decisão do Senado de arquivar a medida provisória (MP) que proibia os bingos no País continua causando desencontros no governo. O porta-voz da Presidência da República, André Singer, disse que "a rigor" é possível que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tome uma decisão, ainda hoje, sobre qual medida será tomada para impedir a reabertura dos bingos, mas antes pretende conversar com os presidentes do Senado, José Sarney (PMDB-AM), da Câmara, João Paulo Cunha, e com líderes da base governista. Já o ministro da Coordenação Política, Aldo Rebelo, afirmou que o governo deverá anunciar no início da próxima semana as medidas que impeçam o funcionamento dos bingos e das máquinas caça-níqueis. Aldo Rebelo está na Associação Brasileira da Infra-Estrutura e Indústrias de Base (Abdib), reunido com empresários. Segundo ele, o Ministério da Justiça, a Casa Civil e a Advocacia Geral da União estão concluindo os estudos para combater os bingos e as medidas efetivas deverão ser anunciadas pelo ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos. "A MP derrubada não nos prejudica totalmente porque os bingos continuam proibidos. O que foi prejudicado foi a ordem administrativa que possibilitava o combate aos bingos e aos caça-níqueis", argumentou Rebelo.O porta-voz André Singer contou que pela manhã, o advogado-geral da União, Álvaro Augusto Ribeiro Costa, apresentou ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva análise jurídica assegurando que o funcionamento das casas de bingo continua ilegal, mesmo com o arquivamento, no Senado, da Medida Provisória editada em fevereiro pelo governo. A audiência durou pouco mais de 30 minutos. O ministro Rebelo insistiu que a queda da MP dos bingos no Senado anteontem não foi uma derrota do governo, mas sim do País e da sociedade brasileira, além de "uma vitória do lobby dos bingos, que pode ser reparada por determinação do governo e da sociedade em coibir essa atividade". Ele criticou a atuação da bancada oposicionista, afirmando que as propostas de projetos de lei apresentadas pelo PFL e o PSDB para regulamentar bingos e extinguir caça-níqueis são "uma confissão de arrependimento". "Creio que eles (oposicionistas) achavam que o governo teria votos suficientes para impedir o arquivamento da MP. Após reunirmos nossos votos, tivemos a diferença de um voto e perdemos", explicou, repetindo que parte dos senadores governistas estava viajando e "um ou outro terminou não acompanhando a posição da base".O ministro evitou tecer críticas diretas a esse último grupo, alegando que os próprios senadores e seus respectivos partidos saberiam avaliar o prejuízo causado à sociedade. "Os partidos devem adotar seus caminhos e suas avaliações", disse. Ao ser indagado sobre as manifestações do ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, que teria ficado irritado com a ausência de articulação política no episódio, Rebelo respondeu secamente: "O ministro José Dirceu não disse isso."?Há várias alternativas?, diz Singer O porta-voz André Singer informou que o governo estuda mais de duas alternativas para impedir a reabertura das casas de bingo. "O governo está decidido a prosseguir nos esforços para impedir o funcionamento das casas de bingo e caça-níquel, mas não decidiu qual instrumento será utilizado para esse fim", disse. A uma pergunta se o instrumento poderia ser uma medida provisória ou um projeto de lei, Singer respondeu que são "várias" as alternativas estudadas pelo Planalto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.