Sindicato de Analistas de Finanças e Controle pede exoneração de ministro da Transparência

Áudios gravados por Sérgio Machado mostram Fabiano Silveira fazendo críticas à Operação Lava Jato junto a Renan Calheiros

Sandra Manfrini , O Estado de S.Paulo

30 de maio de 2016 | 09h10

BRASÍLIA - O Sindicato Nacional dos Analistas e Técnicos de Finanças e Controle (Unacon Sindical) defendeu nesta segunda-feira, 30, em nota divulgada à imprensa, a exoneração do novo ministro da Transparência, Fiscalização e Controle, Fabiano Silveira. Segundo o sindicato, Silveira "demonstrou não preencher os requisitos de conduta para estar à frente de um órgão que zela pelo combate à corrupção".

Em novas gravações feitas pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado e exibidas no domingo, 29, pelo Fantástico, da TV Globo, Silveira participa de reunião com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e Machado, fazendo críticas à Operação Lava Jato, além de orientar Renan sobre formas de enfrentar as investigações. Para a Unacon Sindical, as gravações "exigem respostas rápidas e assertivas" do presidente em exercício, Michel Temer.

"O Sr. Fabiano Martins Silveira, ao participar de reuniões escusas para aconselhar investigados na operação Lava Jato, bem como ao fazer gestões junto a autoridades e órgãos públicos a fim de apurar denúncias contra seus aliados políticos, demonstrou não preencher os requisitos de conduta necessários para estar à frente de um órgão que zela pela transparência pública e pelo combate à corrupção", diz a nota do sindicato.

A entidade avalia ainda que as alterações introduzidas na Controladoria-Geral da União (CGU) "tiveram por objetivo enfraquecer a atuação do órgão, com a implosão de sua identidade institucional, o esvaziamento de suas prerrogativas e a ingerência política sobre os acordos de leniência". O Unacon Sindical termina a nota afirmando que "exige a imediata exoneração" de Fabiano Silveira do cargo e a revogação dos dispositivos que promoveram mudanças na CGU. Servidores protestam em frente ao órgão em Brasília, desde o início da manhã desta segunda-feira. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.