Sindicância diz que Abin não fez grampo

Após três meses de apuração interna, o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) concluiu que os agentes da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) não fizeram grampos na Operação Satiagraha. O relatório da Comissão de Sindicância levanta dúvidas sobre a própria existência do grampo contra o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, pivô da investigação. Isso porque, segundo a agência, o áudio da conversa nem apareceu até agora. O ministro chefe do Gabinete de Gestão Integrada, general Jorge Félix, ao qual a Abin é vinculada, deu o caso por encerrado. O ministro da Defesa, Nelson Jobim, que acusou a agência de fazer escutas ilegais, recusou-se a comentar o assunto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.