Sindicalistas mantêm greve contra reforma

A segunda rodada de negociações entre a Câmara e sindicalistas em torno da reforma da Previdência terminou sem acordo. Apesar dos esforços de negociação, os sindicalistas reafirmaram a disposição de realizar uma greve, no próximo dia 8, contra a reforma. "Não vamos trocar nenhuma negociação por categoria separadamente, ou as negociações nesta mesa, pela greve", afirmou o representante da Federação dos Sindicatos de Servidores das Universidades Brasileiras (Fasubra), Vicente Neto. "A greve vai acontecer".Esta foi a segunda reunião da Mesa de Negociações, aberta a todos os partidos, montada pelo presidente da Câmara, João Paulo Cunha (PT-SP), após a marcha dos funcionários públicos a Brasília contra a reforma, dia 11 de junho. Uma terceira reunião está marcada para quinta-feira entre os representantes dos sindicatos, João Paulo, e os líderes partidários. Segundo o presidente do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscals da Receita Federal (Unafisco), Paulo Gil, nesta reunião, sindicalistas e deputados iniciaram o cruzamento entre as reivindicações de cada categoria presente com as emendas já elaboradas pelo PT e PCdoB. Com isso, a Mesa de Negociação quer saber que reivindicações já estão contempladas nas propostas dos dois partidos.

Agencia Estado,

01 de julho de 2003 | 15h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.