Sindicalistas fazem ato em defesa da Petrobrás

A Central Única dos Trabalhadores (CUT) e a Federação Única dos Petroleiros (FUP) convocaram uma manifestação para amanhã, na região central do Rio de Janeiro, em "defesa da Petrobrás". O ato não vai abordar o esquema de corrupção na estatal investigado pela Operação Lava Jato e deve se limitar a apontar a importância da estatal na economia brasileira e denunciar uma suposta tentativa de desmoralização da empresa.

RICARDO GALHARDO, O Estado de S.Paulo

23 Fevereiro 2015 | 02h01

"Embora eu ache que tem coisas esquisitas nessa investigação, tem gente muito mais preparada para falar sobre isso. Defendemos a investigação e punição rigorosa dos culpados, mas o ato terá o objetivo específico de chamar atenção sobre a importância econômica da Petrobrás", disse José Maria Rangel, coordenador da FUP.

"Não se pode generalizar as denúncias por causa de apenas dois funcionários que confessaram ilícitos", disse Rangel, em referência ao ex-diretor de Abastecimento da estatal Paulo Roberto Costa e ao ex-gerente de Serviços Pedro Barusco

Segundo o presidente da CUT, Vagner Freitas, "oportunistas querem usar a conduta criminosa de alguns funcionários de alto escalão para preparar a empresa para a privatização".

De acordo com os organizadores, o escritor Fernando Morais, o cineasta Luiz Carlos Barreto, a filósofa Marilena Chauí, o economista Luiz Gonzaga Belluzzo e líderes de movimentos sociais, entre eles a União Nacional dos Estudantes (UNE), Via Campesina e Movimento dos Sem Terra (MST), confirmaram presença no ato.

Esses movimentos fazem parte de uma frente de esquerda que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tenta articular desde o final do ano passado com os objetivos de defender contra a ameaça de impeachment o mandato da presidente Dilma Rousseff; fazer um contraponto ao avanço da agenda conservadora no Congresso Nacional, e disputar dentro do governo federal a execução de políticas "de esquerda" contra grupos conservadores representados por partidos que fazem parte da coalizão governista.

Mais conteúdo sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.