Wilson Pedrosa/Estadão
Wilson Pedrosa/Estadão

Sindicalistas, agricultores e indígenas protestam no Planalto

Representantes das centrais sindicais, deputados Paulinho da Força e Ademir Camilo conseguiram entrar no Palácio

Tânia Monteiro, de O Estado de S. Paulo

04 de dezembro de 2012 | 17h09

BRASÍLIA - Representantes de centrais sindicais e os deputados federais Paulinho da Força e Ademir Camilo (PSD-MG) tentaram entrar no Palácio do Planalto na tarde desta terça-feira, 4, provocando tumulto e obrigando a mobilização da equipe de segurança do Planalto e de soldados do Exército para impedir a invasão do local.

As portas de vidro do Palácio foram fechadas e apenas os dois deputados entraram no prédio. Os deputados negociavam com assessores do ministro da Secretaria-Geral, Gilberto Carvalho, a entrada também de trabalhadores. Eles queriam conversar com Gilberto Carvalho.

O ministro, porém, estava reunido com agricultores do Nordeste que estão desde cedo fazendo um protesto que interditou a via em frente ao Planalto por quatro horas e meia. Esses trabalhadores rurais reivindicam renegociação de dívidas com o governo federal.

Vendo a movimentação dos trabalhadores das centrais sindicais à tarde, os agricultores se revoltaram e tentaram novamente entrar no Palácio, mas foram impedidos pela Polícia Militar e pela segurança do Planalto. Eles estavam negociando com a segurança para mais agricultores entrarem no Palácio para conversar com o Gilberto Carvalho, apesar de já ter um grupo representante deles com ministro.

Além dos trabalhadores das centrais e dos agricultores endividados, um outro grupo também tentava entrar no estacionamento do Planalto. São índios de Mato Grosso querendo demarcação de terra. Uma das placas que os indígenas exibem diz: "Desnutrição se acaba com demarcação de terra".

Notícias relacionadas
Tudo o que sabemos sobre:
protestoPlanalto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.