André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Simone Tebet envia carta e pede voto a senadores: 'estratégia é ficar rouca de tanto ouvir'

A senadora reforçou compromisso com a agenda de reformas econômicas, citando a mudança no sistema tributário, e com um plano de vacinação contra a covid-19

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

24 de janeiro de 2021 | 19h07

BRASÍLIA - A senadora Simone Tebet (MBD-MS), candidata à presidência do Senado, enviou uma carta a senadores pedindo votos para a disputa de fevereiro. Com o adversário na frente - Rodrigo Pacheco (DEM-MG) é apoiado pelo Palácio do Planalto -, a estratégia da parlamentar é "ficar rouba de tanto ouvir", conforme escreveu no texto aos colegas. 

"Fortalecida pela forma como minha candidatura foi abraçada, primeiro pelos setores da sociedade civil organizada dentro do MDB, comecei a colocar em prática a estratégia que me impus quando aceitei essa missão: ficar rouca de tanto ouvir", escreveu a parlamentar no documento enviado aos senadores neste domingo, 24, a uma semana da disputa que definirá quem presidirá o Senado até o início de 2023.

A eleição para a presidência do Senado vai escolher quem presidirá o Congresso Nacional nos próximos dois anos, período de eleição presidencial, na qual o presidente Jair Bolsonaro deve concorrer à reeleição. Para contrapor Pacheco, Simone Tebet tem apostado no discurso de independência em relação ao Executivo, mas também promete "harmonia" com o Palácio do Planalto. 

A senadora reforçou compromisso com a agenda de reformas econômicas, citando a mudança no sistema tributário, atualmente parada no Congresso Nacional e um plano de vacinação contra a covid-19. Diante da pressão pela retomada do auxílio emergencial, a candidata do MDB defendeu uma agenda conciliando responsabilidade social e responsabilidade fiscal.

"A gravidade da situação também exige que avancemos com as reformas que alavancarão o desenvolvimento, geração de emprego e renda, aliando nossa responsabilidade social com a devida responsabilidade fiscal", diz a carta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.