Simon registra Requião do PMDB como candidato à Presidência

A proposta do senador gaúcho é que o PMDB, ao invés de firmar aliança com o PT, tenha candidato próprio

Carol Pires, de O Estado de S.Paulo

02 de junho de 2010 | 18h46

BRASÍLIA - Apesar dos esforços da cúpula do PMDB de mostrar unidade em torno do nome do deputado Michel Temer (SP) como candidato a vice-presidente na chapa da petista Dilma Rousseff, dissidentes do partido fizeram uma ação nesta quarta-feira, 2,  para mostrar que a premissa não é totalmente verdadeira.

 

O senador Pedro Simon (RS) registrou na noite desta quarta-feira, na Executiva Nacional do PMDB, a candidatura do ex-governador do Paraná Roberto Requião à presidência da República. A proposta do senador gaúcho é que o PMDB, ao invés de firmar aliança com o PT, tenha candidato próprio à presidência, sendo Requião este candidato.

 

A questão deve ser colocada em votação no próximo dia 12, quando o PMDB realiza, em Brasília, a Convenção Nacional marcada para içar o nome de Temer como indicado do partido para compor chapa com a presidenciável Dilma Rousseff.

 

Pedro Simon assina o pedido como presidente do PMDB gaúcho, e ressalta que o nome de Roberto Requião foi aprovado em congresso estadual do PMDB realizado em 31 de janeiro de 2009, em Capão da Canoa. Simon admite, no entanto, que a candidatura do ex-governador é uma forma de marcar posição do grupo do PMDB que defende a candidatura própria, apesar de a maioria do partido estar interessa em uma aliança com o PT.

 

"Nós defendemos a tese de que o PMDB tem que apresentar candidatura própria. Somos o maior partido do País, temos nove governadores, a maioria de senadores, deputados, prefeitos. É natural que tenhamos candidatura", defende.

 

Simon não mede palavras ao acusar o partido de estar mais interessado em "cargos e vantagens" do que em um projeto de governo para o país. "O partido fez aliança com o Fernando Henrique, e agora fez com o Lula. E não é um grupo que apoia um, e um grupo diferente que apoia o outro. É o mesmo Renan Calheiros, o mesmo Jader Barbalho. É o mesmo Michel Temer", criticou o senador gaúcho. "E eles sabem que se o Requião ganhar não terão cargo nenhum".

 

O líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (RN), reagiu com pouco caso à notícia de que o nome de Roberto Requião estava sendo apresentado como opção do partido de seguir a candidatura própria. Na avaliação de Calheiros, o grupo de Pedro Simon quer apenas "marcar posição", uma vez que a maioria da legenda está ao lado de Michel Temer.

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições2010PTRequião

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.