Simon e Rigotto defendem saída de ministros do PMDB do governo

No que depender do PMDB gaúcho, os dois ministros do partido deverão deixar seus cargos imediatamente, liberando a legenda para assumir uma posição de apoio crítico ao governo Lula. É o que defende o senador Pedro Simon (RS) e o governador do Rio Grande do Sul, Germano Rigotto. Eles se encontraram nesta quinta-feira para discutir a posição que a sessão regional do partido deve defender na reunião nacional do dia 10, em Brasília. "O partido deve entregar seus cargos até porque o nossos ministros não tem nenhuma participação significativa no governo mas não vamos para a oposição", diz o senador, ao lembrar que é amigo do presidente Lula e que sabe que com o PFL, PSDB, PDT e PMDB na oposição, o presidente não teria estabilidade política para governar. "E não é o que queremos. Quero bem a Lula e rezo por ele todos os dias mas ele deve entender o recado das urnas com grandeza", afirmou Simon. O senador e Rigotto também já conversaram com o governador do Paraná, Roberto Requião, que vão se reunir nesta sexta-feira, em São Paulo, com os outros três governadores do partido, dos Estados de Santa Catarina, Pernambuco e Distrito Federal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.