Simon cobra provas contra ACM e Arruda

O senador Pedro Simon (PMDB-RS) disse, na reunião do Conselho de Ética do Senado, que está sendo "levado a acreditar" na versão apresentada pelo ex-diretora-executiva do Prodasen, Regina Célia Borges, para o episódio da violação do painel eletrônico de votações do plenário, durante o processo de cassação do ex-senador Luiz Estevão (PMDB-DF). Ele ressalvou, no entanto, que ela vai ter que apresentar provas que comprovem que sua ação na fraude ocorreu a mando dos senadores Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) e José Roberto Arruda (PSDB-DF).Segundo Simon, uma prova fundamental seria a compravação de que ela realmente recebeu um telefonema de ACM na noite de 28 de junho, dia da cassação. O senador argumentou que todo o depoimento de Regina Célia se baseia no fato de que apenas esse telefonema a tranqüilizou a respeito do fato de que a ordem para a violação do painel realmente havia partido do então presidente do Senado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.