Simon afirma ser um triste dia para PT e Senado

Para peemedebista, Partido do Trabalhadores abraçou Collor e Sarney e perdeu Marina Silva

Carol Pires, AE

19 de agosto de 2009 | 16h19

O senador Pedro Simon (PMDB-RS) criticou nesta quarta-feira, 19, a orientação do presidente nacional do PT, Ricardo Berzoini, para que a bancada petista vote pelo arquivamento das ações. Sem o apoio do PT, a oposição não tem votos suficientes para abrir processo disciplinar contra José Sarney, presidente do Senado.

 

"Hoje (quarta-feira, 19) é o dia que o PT abraça o Sarney e o Collor (senador e ex-presidente Fernando Collor de Mello) e a Marina sai. Sinceramente, não sei quem representa o PT lá na origem, se o Lula do Sarney ou se é a Marina. Triste dia este para o PT e triste dia este do Senado", disse Simon, em referência ao anúncio, na manhã desta mesma quarta-feira, da saída da senadora Marina Silva do Partido dos Trabalhadores.

Simon criticou também a decisão do Conselho de Ética de votar em bloco os recursos apresentados contra o arquivamento das ações movidas contra o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). "Arquivar em bloco, pura e simplesmente? Eu não entendo essa posição do Senado Federal, do Conselho de Ética, ao invés de permitir a discussão. É ampla a maioria do governo, o governo ganharia", observou Simon.

 

"Se o Conselho de Ética não leva isto a sério, quem vai levar? Uma Câmara de Vereadores do interior? O exemplo que estamos dando é muito triste", finalizou o senador gaúcho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.