Simbolismo de posse de Barbosa não pode ser negado, diz ministra

'É efetivamente um novo Brasil, que se abre para a diversidade', afirmou Luiza Bairros

Eduardo Bresciani, O Estado de S. Paulo

22 de novembro de 2012 | 15h32

BRASÍLIA - A ministra da Igualdade Racial, Luiza Bairros, afirmou nesta quinta-feira, 22, que o simbolismo do fato de Joaquim Barbosa ser o primeiro negro a assumir a presidência do Supremo Tribunal Federal (STF) não pode ser negado. Ela destacou que o fato de o país ter uma presidente mulher e um negro chefiando a mais alta corte é retrato de um "novo Brasil".

"É efetivamente um novo Brasil, que se abre para a diversidade, para a possibilidade de realização de talentos em qualquer classe social, qualquer grupo racial. Foi nesse sentido que trabalhamos ao longo últimas décadas no Brasil", disse a ministra.

Questionada sobre a resistência de Barbosa em vincular sua posse à questão racial, ela disse concordar, mas afirmou que o simbolismo não pode ser negado.

"Acho que ele tem razão, de que não é o que deve ser ressaltado em primeiro lugar, mas, sem dúvida, o simbolismo desse momento para um país que se reconheceu como racista há tão pouco tempo não pode ser negado", afirmou Luiza Bairros.

Tudo o que sabemos sobre:
STFposseJoaquimBarbosaministro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.