Zeca Ribeiro / Câmara dos Deputados
Zeca Ribeiro / Câmara dos Deputados

Sílvio Costa defende que oposição obstrua no plenário votação contra Temer

No entendimento do deputado, deputados oposicionistas não teriam os 342 votos na quarta-feira para dar seguimento à denúncia e deveriam, portanto, obstruir a votação

Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

31 Julho 2017 | 15h29

BRASÍLIA - O deputado Sílvio Costa (PTdoB-PE) fez um apelo nesta segunda-feira, 31, para que os colegas da oposição não marquem presença na sessão da próxima quarta-feira, 2, para inviabilizar a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer.

Em um vídeo distribuído pelo WhatsApp, o deputado admite que a oposição não tem os 342 votos necessários para aprovar o seguimento da denúncia e que, por isso, a melhor estratégia é não registrar presença em plenário.

"Nós não devemos marcar presença, porque na hora que a gente não marca a presença, não vai dar quórum, e aí não vota, fica para a próxima semana, a gente não dá quórum de novo, e assim por diante", disse.

Segundo ele, nesse meio tempo, a Procuradoria-Geral da República (PGR) pode apresentar uma nova denúncia contra Temer ou nomes como o ex-deputado Eduardo Cunha e o doleiro Lúcio Funaro podem fechar delação premiada, o que complicaria a situação do peemedebista.

"Se a gente não votar a denúncia, talvez Temer tenha alguma dignidade e renuncie. Vamos tentar forçar a renúncia ou então ele vai ter que se explicar 17 meses", disse.

A oposição está dividida sobre se dá ou não quórum para votar a denúncia na próxima quarta. Uma reunião com integrantes de partidos como o PT, PCdoB, Rede e PSOL vai ser realizada nesta terça-feira, 31, para discutir o assunto.

Nomes como deputado Alessandro Molon (Rede-RJ) já defenderam que, se o governo conseguir colocar mais de 300 deputados no plenário, a oposição deveria marcar presença e concluir a votação. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), já avisou que só vai começar a sessão com um quórum mínimo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.