Silvinho confirma que selecionava nomes para ocuparem cargos

Terminou por volta de 12h45 o depoimento do ex-secretário-geral do PT, Silvio Pereira, à Polícia Federal. O depoimento durou mais de quatro horas. O advogado de Pereira disse que ele repetiu a mesma postura adotada na CPI dos Bingos. Silvio confirmou, segundo o advogado, que era um tarefeiro do PT encarregado de fazer a triagem de nomes do partido e base aliada para a ocupação dos cargos na máquina administrativa do governo. Ele negou que exercesse influência por pressão sobre estes indicados. Silvio Pereira seguiu para a Procuradoria da República no Distrito Federal para prestar esclarecimentos ao Ministério Público.Ele não foi indiciado.Silvinho prestou depoimento para explicar entrevista que concedeu ao jornal O Globo, publicada no último domingo, na qual afirmou que o PT pretendia arrecadar R$ 1 bilhão por meio dos bancos Econômico, Mercantil de Pernambuco e Opportunity, além de passivos na agropecuária.Na entrevista, Silvio Pereira disse que quem comandava o PT era "Lula, Genoíno, Mercadante e Zé Dirceu". A afirmação soava como denúncia de que o presidente sabia do caixa 2 operado pelo empresário Marcos Valério de Souza. No entanto, em depoimento à CPI dos Bingos, Silvinho disse que se referia apenas a assuntos políticos quando falou sobre o comando do PT. O ex-secretário disse também que não tinha condições de dizer o que é verdade e o que é mentira nas afirmações que fizera na entrevista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.