Silêncio e doença justificam ausência de Youssef em CPI

Pesidente da CPI mista da Petrobrás, Vital do Rêgo, disse que os líderes partidários concordaram que não era plausível levar doleiro

RICARDO BRITO, O Estado de S. Paulo

27 de outubro de 2014 | 14h52

O presidente da CPI mista da Petrobrás, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), afirmou nesta segunda-feira (27) que a decisão do doleiro Alberto Youssef de permanecer calado e o estado de saúde dele, que foi internado no sábado, justificaram o cancelamento do depoimento marcado para a próxima quarta-feira (29). No dia, a comissão remarcou o depoimento do diretor de Abastecimento da estatal, José Carlos Cosenza, que não compareceu à reunião agendada para a quarta-feira passada (22) após ter apresentado um atestado médico.

Vital disse que os líderes partidários com quem conversou concordaram que não era plausível levar Youssef - preso em Curitiba - para depor na CPI mista e ele ficar em silêncio, mesmo se fosse numa sessão secreta. Responsável por marcar e remarcar as audiências, o peemedebista afirmou ter adiado por enquanto o depoimento de Youssef, para depois de o doleiro encerrar o processo de delação premiada a que está se submetendo. "Declinei temporariamente do depoimento dele, mas ainda vamos ouvi-lo", afirmou ao Broadcast Político, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado.

O presidente da CPI, contudo, criticou o fato de o doleiro dar declarações públicas à Justiça Federal em Curitiba (PR), mas se recusar a falar para a comissão parlamentar. Há três semanas, Youssef e o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa prestaram depoimentos públicos à Justiça paranaense nos quais acusaram o tesoureiro do PT, João Vaccari, de ser o responsável por cobrar propinas de empreiteiras sob contratos da estatal. Em nota, Vaccari negou as acusações.

Por essas declarações, a oposição tentou, sem sucesso, aprovar um requerimento de convocação do tesoureiro do PT antes do segundo turno das eleições e ainda marcar o depoimento de Youssef, que já tinha requerimento de convocação aprovado pela CPI. Nenhuma dessas articulações prosperou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.