Sigilo do voto gera dúvida, diz pesquisa

Um em cada cinco eleitores crê que políticos podem saber como votaram

Mariângela Gallucci, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

13 de agosto de 2008 | 00h00

Um em cada cinco eleitores brasileiros não acredita no sigilo do voto, segundo pesquisa feita pelo instituto Vox Populi a pedido da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB). Para 21% dos entrevistados, os políticos têm meios de saber em quem os eleitores votam. E nada menos que 73% crêem que há pessoas que votam em determinados candidatos apenas por medo de perder o emprego.A pesquisa detectou ainda que mais da metade dos eleitores não acredita que as eleições no Brasil são feitas de maneira limpa e sem fraudes e têm resultados confiáveis. A desconfiança é revelada no momento em que o Tribunal Superior Eleitoral prepara uma campanha nacional para informar os eleitores sobre a impossibilidade de identificação do voto. Um dos motivos é a pressão de traficantes e milícias sobre o eleitorado de determinadas favelas no Rio. "Não há como acuar, acossar, intimidar esta ou aquela comunidade com a bravata de que é possível se identificar o voto", disse o presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Carlos Ayres Britto, na semana passada.O levantamento do Vox Populi revelou ainda uma posição dúbia do eleitorado em relação ao clientelismo. Apenas uma pequena parcela dos ouvidos (5%) concorda que o eleitor pode receber ajuda em troca do voto. Mas, para 42% dos entrevistados, é obrigação dos políticos pagar despesas de hospital e de enterro para pessoas necessitadas. Para outros 40%, isso "não é obrigação, mas deveria fazer". Apenas 17% consideram que os políticos "não deveriam fazer de jeito nenhum".Para 83%, é importante que os políticos socorram as pessoas necessitadas. A maioria espera que os eleitos ajudem as pessoas a conseguir empregos e façam escolas e hospitais. Nada menos que 61% dos entrevistados disseram conhecer pessoas que aceitariam votar em um candidato em troca de vantagens pessoais.A pesquisa constatou que 82% dos eleitores consideram que os candidatos, depois de eleitos, não cumprem as promessas de campanha. Para 85% dos ouvidos, de maneira geral, a política é uma atividade na qual os próprios políticos são os principais beneficiados.Para 76% dos ouvidos, o político é mais importante do que o partido na hora da escolha em quem votar. Os três fatores mais importantes para escolher um candidato, de acordo com os entrevistados, são: propostas de trabalho, benefícios que poderão ser concedidos ao bairro e à comunidade e experiência pessoal do político.Também é dado grande peso no processo de escolha à simpatia do político. Para 68%, é muito importante ou importante que o político seja simpático.Se o voto deixasse de ser obrigatório no Brasil, 30% dos entrevistados afirmaram que com certeza não votariam. Outros 51% disseram que continuariam a votar. A pesquisa foi feita pelo Vox Populi entre os dias 27 de junho e 6 de julho. Foram ouvidas 1.502 pessoas com mais de 16 anos em todas as regiões do País.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.