Shell vai processar médicos e prefeito de Paulínia

A assessoria confirmou hoje que a Shell irá abrir um processo judicial por danos materiais e danos à marca Shell contra os médicos Cláudia Guerreiro, Igor Vassilieff e o prefeito de Paulínia, Edson Moura (PMDB). A indústria continua negando que haja casos de contaminação no bairro, conforme apontou laudo emitido pela Secretaria de Saúde de Paulínia, a partir de exames feitos na Universidade Estadual Paulista (Unesp) com 181 moradores. O laudo foi assinado por Cláudia e Vassilieff.A Shell do Brasil confirmou também que irá estudar a possibilidade de adquirir as chácaras do bairro Recanto dos Pássaros, em Paulínia, a 120 quilômetros de São Paulo, dos moradores interessados em vendê-las. No próximo sábado, representantes da indústria estarão no local para ouvir as propostas dos moradores e definir uma linha de ação. Segundo a assessoria de imprensa da empresa, os casos serão analisados isoladamente.LaudoOs resultados dos exames, realizados pela prefeitura de Paulínia, revelaram que 86% dos examinados têm pelo menos um contaminante no organismo, sendo que 88 adultos e 27 crianças apresentam contaminação crônica. O relatório apontou ainda ocorrências de lesões e tumores provocados pelos organoclorados, substância manipulada pela Shell no bairro nas décadas de 70 e 80.O toxicologista da empresa, Flávio Zambrone, refutou o laudo e afirmou que houve uma interpretação errada dos resultados. A Shell procedeu exames em 159 pessoas do bairro, das quais 45 moradores fixos, e não constatou contaminação."Os resultados de nossos exames são iguais aos da Prefeitura. Mas nós utilizamos índices aceitos pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para indicar contaminação e constatamos que ela não existe", alegou Zambrone.No final da semana passada, a Shell descartou a possibilidade de remover os moradores do bairro, como querem a prefeitura e o Ministério Público Estadual. No final da tarde de ontem, por meio de um comunicado, a empresa anunciou a possibilidade de adquirir os terrenos.Brigas judiciaisOntem, o Ministério Público Estadual, a Associação dos Moradores do Recanto dos Pássaros e a Prefeitura anunciaram que irão entrar com uma ação na Justiça para exigir que a Shell remova os moradores do bairro e custeie o tratamento dos doentes. A empresa disse que só se manifesta quando for citada.Hoje a Shell confirmou que irá processar os dois médicos e o prefeito, mas ainda não sabe quando a ação será protocolada. Cláudia disse que não teme o processo e disse que também poderá entrar na Justiça contra a empresa por danos morais. Vassilieff argumentou que realizou um trabalho sério e que irá aguardar ser notificado. Na Prefeitura, ninguém foi encontrado para falar a respeito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.