Setor químico quer que Amaral incentive exportação

O setor químico brasileiro pretende que o novo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Sérgio Amaral, atue de maneira a incentivar a competitividade da indústria nacional e as exportações. "É preciso inverter a balança comercial do setor, o que só vai acontecer se forem feitos investimentos bem maiores no Brasil. E para isso é preciso que haja boas condições de investimento, como juros e impostos baixos", afirmou Guilherme Duque Estrada de Moraes, vice-presidente executivo da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim). Em 2000, a balança comercial do setor químico brasileiro teve déficit de US$ 6,7 bilhões, com exportações de US$ 4 bilhões e importações de US$ 10,7 bilhões. Moraes lamentou a saída de Alcides Tápias da pasta. "A notícia causou surpresa. O Tápias tinha diálogo com a indústria e conhecia bem os problemas do setor, fazendo o que podia para a indústria ter mais competitividade e exportar mais", disse. "Espero que o Amaral possa dar continuidade a esse trabalho", completou Moraes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.