Sete países que falam português vão adotar cidadania única

Os cidadãos de seis países de língua portuguesa na Europa, África, Oceania e os brasileiros poderão ter cidadania única, ainda neste ano. Um documento, que deve ser assinado na próxima semana em Brasília, vai garantir a outras nações que falam o mesmo idioma a regalia existente entre brasileiros e portugueses desde 1972. Poderá ser ratificado também, entre os sete países, um acordo ortográfico, para terminologias científicas e técnicas. O documento será assinado entre Brasil, Guiné-Bissau, Portugal, Angola, São Tomé e Príncipe, Cabo Verde e Timor Leste, durante a reunião da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), que será realizada em Brasília. "Será realmente um marco, já que a cidadania única existe apenas entre brasileiros e portugueses e agora será extensiva", afirma o embaixador do Brasil em Portugal, José Gregori. Apenas Moçambique ficou de fora do acordo. Segundo fontes diplomáticas, teme-se uma nova invasão de cidadãos portugueses, como ocorreu antes da independência do país. Segundo Gregori, técnicos dos sete países ainda estão terminando as bases do acordo. "Os cidadãos terão de obedecer regras. Uma delas é residir no País", afirma o embaixador. Como já ocorre entre Brasil e Portugal, os cidadãos dos sete países poderão até candidatar-se a cargos políticos e votar. Além disso, os cidadãos dos países de língua portuguesa terão algumas facilidades na entrada e saída, especialmente nos aeroportos. "O trânsito será facilitado, assim como o visto, que será gratuito", explica o diretor do Departamento de Estrangeiros do Ministério da Justiça, Luiz Paulo Barreto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.