Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Sete anos e 4 mil km depois, a gata Chayenne volta para casa

Foram 4,5 mil quilômetros e sete anos que distanciaram a gata Cheyenne de sua casa. Mas Chayenne acabou sendo encontrada, no começo de abril em San Francisco, na Califórnia, do outro lado do país. Ela foi identificada graças a um microchip que o abrigo que a doou havia implantado sob a sua pele. Cheyenne, de dez anos, desaparecera na Flórida em 1997, pouco tempo depois de ter sido adotada por Pamela Edwards. Antes, a gata vivia em um abrigo para animais de rua. Não se sabe como ela foi capaz de atravessar todoo território americano, porém foi encontrada em bom estado."Possivelmente, alguém encontrou Cheyenne na Flórida", afirmou aporta voz do Departamento de Controle de Animais de SãoFrancisco, Deb Campbell, concluindo que "às vezes, alguns gatosficam presos dentro de caminhões de mudança. Sabe-se que ela nãoandou até aqui, pois as suas patas estão em ótimo estado." A porta-voz disse ainda que a identificação por microchip permiteque qualquer animal seja encontrado. "O animal pode perder suacoleira ou alguma etiqueta com seu nome e endereço, mas não temcomo perder um microchip implantado em sua pele". A dona de Cheyenne, Pamela Edward, recebeu a notícia de queela havia sido encontrada no mesmo dia em que levaria suaoutra gata, de 19 anos, para ser sacrificada. Emocionada, Pamela afirmou: "Eu estou extremamente feliz emreencontrar a minha gata e agradeço muito que ela tenha voltadosã e salva". A dona ainda contou que "ela ficou contente emretornar e me reconheceu quando andei pela casa". Cheyenne demorou um pouco mais para retornar para sua casaporque apenas alguns pilotos ofereceram o vôo para que a gatapudesse embarcar. A história provocou enorme interesse da TV americana. Aapresentadora de um programa de entrevistas, Ellen De Generes,pagou as passagens aéreas para que a dona e sua filha voassematé a Califórnia para o tão esperado reencontro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.