Sessões da Comissão de Ética do PT são secretas

O presidente da Comissão de Ética da Comissão Executiva Nacional do PT, o advogado Danilo de Camargo, afirmou hoje que as sessões nas quais serão analisadas as condutas da senadora Heloísa Helena (PT-AL) e dos deputados federais Luciana Genro (PT-RS) e João Batista de Araújo (PT-PA), o Babá, são "absolutamente fechadas". De acordo com Camargo, nem os integrantes da executiva têm acesso às sessões.Pelo estatuto do PT, os integrantes da comissão não podem nem comentar os procedimentos. A comissão, que emite parecer a ser encaminhado ao Diretório Nacional, não julga, tampouco delibera."Analisamos a representação, ouvimos as partes, testemunhas arroladas, realizamos diligências e reunimos outras provas, se necessário, e fazemos um parecer com uma sugestão", explicou Camargo. "A decisão é tomada, por meio de votação, pelo Diretório Nacional."Aos 41 anos de idade e 15 de filiação ao PT, Camargo, que nasceu em Marília e entrou para a vida partidária em Santos, exerceu praticamente todos os cargos no diretório municipal daquela cidade, coordenou a região da Baixada Santista e, atualmente, é secretário de Finanças e Planejamento do diretório estadual de São Paulo. "Essa não é a mais grave das tarefas que já tive no PT, mas acho que é uma das mais difíceis", admitiu.Questionado a qual corrente do PT pertencia, Camargo disse que, atualmente, integra o campo majoritário. "Na comissão, a lógica é outra, isso não tem importância."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.