Sessão sobre golpe na Câmara é suspensa após tumulto

A sessão solene em alusão aos 50 anos do golpe militar foi suspensa por alguns minutos após um tumulto entre participantes do evento na manhã desta terça-feira, 01. O incidente começou quando o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) abriu uma faixa na galeria do plenário com os dizeres: "Parabéns militares - 31 de março de 1964. Graças a vocês o Brasil não é Cuba".

DAIENE CARDOSO E EDUARDO BRESCIANI, Agência Estado

01 de abril de 2014 | 12h36

Com a manifestação do deputado, a plateia participante respondeu à iniciativa com os gritos de "assassino". A partir daí, um tumulto se formou no plenário e a diretora da União Nacional das Esposas de Militares das Forças Armadas, Ivone Luzardo, passou mal e caiu após um empurra-empurra no plenário.

Ao recobrar a consciência, a simpatizante dos militares teve de ser contida por seguranças e gritava aos outros participantes: "Eu não quero comunismo no meu País". A sessão foi interrompida durante o discurso da deputada Luiza Erundina (PSB-SP), autora do requerimento que propôs a sessão solene. O evento foi retomado em seguida.

Tudo o que sabemos sobre:
golpe de 1964Câmara

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.