André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Sessão da Comissão de Ética é interrompida após briga entre senadores

Reunião analisava denúncia do caso em que senadoras da oposição ocuparam a mesa diretora do Senado para obstruir votação da reforma trabalhista

Thiago Faria e Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

08 de agosto de 2017 | 16h19

BRASÍLIA - A discussão na Comissão de Ética do Senado para definir o relator de denúncia contra seis senadoras da oposição quase acabou em agressão física nesta terça-feira, 8. Exaltado, o senador  Linbergh Farias (PT-RJ) protestou contra membros do colegiado que analisavam o caso. A sessão chegou a ser interrompida, mas foi retomada 10 minutos depois.

"Essa reunião é ridícula. Vocês arquivaram o caso do Aécio, que tinha mala de dinheiro. Agora vão punir senadoras por sentar na mesa do Senado", afirmou o petista, que, com dedo em riste, acusou o presidente do conselho, senador João Alberto (PMDB-MA) de estar desmoralizado. No mês passado, a maioria do conselho decidiu arquivar representação contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG) com base na delação premiada de Joesley Batista, da JBS.

Em pé, em frente à mesa onde João Alberto comandava a sessão, Lindbergh continuou a protestar e discutir asperamente com divesos senadores, incluindo Gladson Camelli (PP-AC), um dos autores da denúncia contra as senadoras. Com Sérgio Petecão (PSD-AC), chegou perto da agressão física. "Toca em mim que eu quero ver, seu filho da p...", afirmou Petecão após desferir um tapa no ar em direção ao petista.

A denúncia na Comissão de Ética tem como alvo as senadoras Fátima Bezerra (PT-PB), Gleisi Hoffmann (PT-PR), Ângela Portela (PDT-RR), Regina Souza (PT-PI), Lídice da Mata (PSB-BA) e Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM). No mês passado, durante a sessão que votaria a reforma trabalhista, as parlamentares ocuparam a mesa diretora do plenário do Senado, atrasando a votação. Na ocasião, o protesto durou por várias horas e o projeto só pode ser votado à noite.

Como trata-se de uma denúncia, a pena prevista é advertência ou censura (por escrito ou verbal). No entanto, caso o conselho entenda haver indícios suficientes, pode ser revertido para um processo que resulte na perda do mandato das senadoras. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.