Sessão comandada por Tebet termina em confusão

Terminou em confusão, nesta terça-feira à noite, a primeira sessão do Congresso Nacional comandada pelo recém-eleito presidente do Senado, senador Ramez Tebet (PMDB-MS), na qual foram aprovadas propostas de alterações no Plano Plurianual de Investimentos (PPA) para o período de 2001 a 2003, inclusive a que autoriza a utilização de R$ 1,5 bilhão do Fundo de Universalização das Comunicações (Fust) na instalação de computadores com serviço de internet nas escolas e bibliotecas públicas.Oposicionistas, à frente deles o deputado Sérgio Miranda (PCdoB-MG), protestaram, argumentando que, pelo artigo 52 do Regimento Interno do Congresso, as alterações não poderiam ser aprovadas pelo plenário, mas somente por uma comissão mista.Miranda ergueu a voz, acusando Teteb e os parlamentares governistas de estarem patrocinando "uma roubalheira", sugerindo que o dinheiro seria desviado para campanhas eleitorais de 2002.Miranda afirmava que a proposta relativa ao Fust, aprovada por 36 votos a 7 pelos senadores, teria que ser submetida novamente à Comissão de Orçamento e que os governistas tinham aprovado "uma roubalheira".Governistas contra-argumentaram que as mudanças feitas eram apenas "de redação". Oposicionistas começaram a gritar: "É roubo, é roubo", enquanto faziam gestos para Tebet sugerindo que ele era o responsável.Entre os oposicionistas que mais se alteraram estavam os deputados Inácio Arruda (PCdoB-CE), João Paulo Cunha (PT-SP) e Luiz Sérgio (PT-RJ).A confusão aumentou quando Tebet, confundindo-se, deu a palavra ao deputado José Genoíno (PT-SP) e não aos líderes dos partidos oposicionistas. Um dos líderes - Rubens Bueno, do PPS - reclamou de estar pedindo a palavra sem ser atendido. Os oposicionistas continuavam gritando: "É roubo, é roubo".Tebet anunciou que suspenderia a sessão por cinco minutos. Quando a reiniciou, o tumulto persistiu, prolongando-se por cerca de 30 minutos. O presidente da sessão encerrou-a.Oposicionistas passaram a gritar para Tebet: "Fujão, larápio, rábula, Bin Laden!! Renúncia! Renúncia!".O presidente da Casa retirou-se sob xingamentos dos oposicionistas. No corredor, foi abordado pelo deputado Miro Teixeira (PDT-RJ), que ponderou que a sessão não poderia ser encerrada, que era preciso discutir. "Mas vocês não quiseram discutir!", reagiu Tebet, protegido pelos governistas. E completou: "Tentei ser tolerante, mas eles estavam ensandecidos!"

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.