Serys Slhessarenko deixa o PT e faz críticas ao partido

Alegando ter sido prejudicada politicamente pelo chamado grupo majoritário do PT, que apoia a candidatura de Lúdio Cabral na disputa pela prefeitura de Cuiabá (MT), a ex-senadora pelo PT em Mato Grosso Serys Slhessarenko deixa o partido e declara seu voto ao candidato do PSB, Mauro Mendes. Apesar da declaração, ela afirmou que não fará campanha para o candidato. "Fui perseguida, isolada e humilhada", afirmou. A ex-senadora é da tendência "Articulação de Esquerda", do petista Walter Pomar, hoje com pouca expressão dentro do PT.

FÁTIMA LESSA, ESPECIAL PARA A AE, Agência Estado

27 de outubro de 2012 | 13h37

Em carta aberta, a ex-senadora declara que desde que começou a militar no PT assumiu "uma posição de independência face às chamadas tendências do PT". "Portanto, nunca me alinhei com o grupo majoritário", afirma. Teria sido também este grupo, segundo a carta, que em 1996, com Delúbio Soares como emissário do Diretório Nacional, "impediu" sua candidatura à prefeitura de Cuiabá. "O PT simplesmente não teve candidato naquela eleição. Em 2002, esse mesmo grupo força minha candidatura ao Senado em uma situação completamente adversa" diz na carta.

Serys reclama, ainda, que "ao invés de um processo autocrítico de superação dos erros cometidos, o grupo do Zé Dirceu em Mato Grosso, se utilizando de sua maioria, instaura um processo para minha expulsão e a de outros companheiros".

A saída da ex-senadora do partido acontece quase dez dias depois da "debandada" de 200 petistas, coincidentemente do mesmo grupo de Slhessarenko, um dia depois da passagem do ex-presidente Lula em Cuiabá. Quando houve a desfiliação do grupo a qual ela pertencia, Serys declarou que não que ia deixar o partido e diversas lideranças do PT no Estado afirmavam que a desfiliação não ia fazer diferença nem prejudicar na campanha do petista porque eles "não estavam desde o início" apoiando o candidato Cabral. Na mesma semana, o PT filiou mais de 500 pessoas.

A briga de Serys Slhessarenko com o PT acontece há alguns anos. Em 1996 foi impedida pelo mesmo grupo de concorrer ao cargo de prefeita. Foi eleita senadora em 2002, em disputa com nomes como Dante de Oliveira e Blairo Maggi. Quatro anos depois, em 2006, disputou o governo do Estado sem o apoio do mesmo grupo. Em 2010 não conseguiu a vaga dentro do partido para concorrer à reeleição ao Senado. Atualmente, Serys não ocupa nenhum cargo político. Ela é professora aposentada da Universidade Federal de Mato Grosso.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições MTCuiabá

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.