Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Servidores estimam adesão de 40% em duas semanas

O comando unificado de greve dos servidores federais será instalado amanhã, às 14 horas, na sede da Coordenação Nacional de Entidades de Servidores Federais (CNESF), no Centro Comercial Conic, em Brasília. As lideranças do movimento esperam a adesão, nas próximas duas semanas, de 40% dos 800 mil funcionários da ativa da administração federal. Um dos líderes dos movimento, o sindicalista José Domingues Godói, afirmou hoje que o pedido de arquivamento da proposta de reforma previdenciária foi a principal forma encontrada pelos servidores para contestar o "modelo de Estado privado" defendido pelo governo Luiz Inácio Lula da Silva. "Se retirar essa proposta (de reforma da Previdência), o governo estará mudando o rumo de sua política", disse. "O governo decidiu seguir o modelo de Estado adotado na gestão anterior". O sindicalista avalia que não é só na área da Previdência que "o governo Lula trata as coisas como mercadorias". Segundo ele, nas áreas de energia, mineração, transportes, educação e saúde o governo também está seguindo a "cartilha" do presidente Fernando Henrique Cardoso. Segundo o sindicalista, as entidades de servidores públicos não se sentem constrangidas em iniciar uma greve contra o governo Lula. Godói Filho avisou que não há entendimento, se a proposta de reforma previdenciária não for retirada da pauta do Congresso. A primeira paralisação por tempo indeterminado contra o governo Lula será coordenada por representantes de 11 entidades, que integram a CNESF.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.