André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Servidores do Judiciário ganham reajuste em auxílio-alimentação e pré-escolar

A partir de junho, valores passam para R$ 910,08 e R$ 712,62 por mês, respectivamente

Amanda Pupo, O Estado de S.Paulo

04 Junho 2018 | 22h26

BRASÍLIA - Em meio à discussão sobre ajustes nas contas do governo federal, o Poder Judiciário reajustou em 3% os valores do auxílio-alimentação e de assistência pré-escolar de seus servidores, a partir do mês de junho, que agora fecham em R$ 910,08 e R$ 712,62, respectivamente.

+ Tribunais e associações defendem legalidade de retroativos

O aumento foi publicado em portaria assinada pela presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia. De acordo com o documento, a implantação dos novos valores em cada órgão fica condicionada à prévia demonstração da existência de disponibilidade financeira da instituição.

Além de Cármen, assinam a portaria conjunta os presidentes do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luiz Fux, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Laurita Vaz, do Tribunal Superior do Trabalho (TST), João Batista Brito Pereira, do Superior Tribunal Militar (STM), José Coelho Ferreira, e o presidente do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJ-DFT), Romão Cícero de Oliveira.

+ Juízes ganham R$ 211 milhões com ‘auxílios’ atrasados

Os custos do Poder Judiciário ganharam maior destaque desde que o ministro Luiz Fux, no STF, liberou para julgamento as ações que tratam do auxílio-moradia da magistratura e de procuradores, hoje em R$ 4,3 mil.

No entanto, um dia antes do julgamento do tema pelo Supremo, em março, o ministro retirou as ações da pauta e remeteu a discussão à Câmara de Conciliação e Arbitragem da Administração Federal, da Advocacia-Geral da União (AGU), onde continua tramitando.

Os chamados supersalários da magistratura também chamaram atenção durante o último ano. Em agosto do ano passado, Cármen Lúcia determinou que tribunais de todo o País enviassem ao CNJ as remunerações dos seus juízes, que foram publicadas no portal do conselho. Porém, a apuração de possíveis abusos nos pagamentos, que seria feita através da medida, não tem notícias de avanço.

Mais conteúdo sobre:
Poder Judiciário servidor público

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.