Servidores do INSS recuam e adiam fim da greve

Os postos do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) no Estado de São Paulo devem voltar a funcionar somente na quinta-feira, dia 28, apesar da determinação do ministro da Previdência, Ricardo Berzoini, de que eles reabrissem suas portas até terça-feira. Quem precisar dos serviços da Previdência vai ter de esperar porque a paralisação dos servidores paulistas ainda não foi suspensa. Segundo o representante de comando greve no Estado, Ezequiel Barbosa, na sexta-feira passada não houve tempo hábil para aprovar o acordo assinado entre o governo federal e os funcionários da Previdência, em assembléia estadual. "A tendência é aceitarmos o acordo e voltarmos ao trabalho até quinta-feira", explicou.Cerca de 75% dos 6 mil funcionários do INSS do Estado estão em greve. Amanhã, os servidores do INSS fazem uma assembléia na capital para decidir sobre a volta ao trabalho. De acordo com Barbosa, é preciso esperar 24 horas para que os servidores se "recadastrem" no sistema de informática da Previdência.Além do acordo que prevê um aumento salarial de 47,11% para a categoria, o governo se comprometeu a remeter ao Congresso até 30 de setembro um projeto de lei reestruturando a carreira e dando aos 56 mil servidores o reajuste em quatro parcelas. A primeira parcela de 10,13%, será paga em dezembro. Até dezembro de 2005, o reajuste terá produzido um acréscimo de cerca de 10% na folha de pagamentos do INSS, que é de cerca de R$ 3,6 bilhões anuais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.