Servidores desocupam prédio da Secretaria da Fazenda

Os servidores estaduais desocuparam na quinta-feira o prédio da Secretaria da Fazenda, em Maceió. A ocupação durou uma semana e aconteceu em protesto contra a suspensão, pelo governo, dos reajustes concedidos ao funcionalismo em 2006.A decisão pela desocupação causou insatisfação da base do movimento por não ter sido definida em assembléia. Apenas os professores continuam em greve.Segundo a presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Alagoas (Sinteal), Girlene Lázaro, o comando do movimento tinha autonomia para tomar a decisão sem assembléia. "Negociamos com o governo e tínhamos que desocupar o prédio devido à decisão judicial de reintegração de posse", afirmou Girlene. "Mas o movimento continua, até que o governo revogue o decreto que suspendeu os reajustes e pague os 80% da isonomia dos professores".No início da tarde de quinta-feira, o ouvidor-geral do Estado, Claudionor Araújo, e o comandante da Polícia Militar, coronel Rubens Goulart, realizaram uma vistoria no prédio para avaliar se o movimento grevista tinha danificado o patrimônio público ou os arquivos do órgão. Na saída, eles informaram que, apesar da sujeira, não houve depredação.O presidente da Central Única dos Trabalhadores em Alagoas (CUT), Isack Jackson, entregou as chaves do prédio ao ouvidor-geral Claudionor Araújo, que foi vaiado pelos manifestantes. A desocupação aconteceu de forma pacífica e os líderes do movimento afirmam que o prédio estava sendo entregue do mesmo jeito em que foi encontrado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.