Servidores da CGU citam 'retrocesso' no combate à corrupção e voltam a protestar

Entre as preocupações dos servidores está a de que a perda do status de ministério traga dificuldades para fechar os acordos de leniência da Lava Jato, uma vez que hoje cabe a CGU celebrá-los

Isadora Peron, O Estado de S. Paulo

28 de setembro de 2015 | 16h16

Brasília - Servidores da Controladoria-Geral da União (CGU) voltaram a protestar nesta segunda-feira, 28, contra a possibilidade de o órgão perder o status de ministério. Para eles, a medida significará um retrocesso no combate à corrupção.

Na sexta-feira, analistas e técnicos já haviam organizado uma manifestação em frente à sede da CGU. Nesta segunda, eles fizeram uma caminhada pela Esplanada até chegar ao Palácio do Planalto. A previsão é que haja uma nova mobilização nesta terça-feira, 29.

"O protesto é para lembrar aquilo que a presidente prometeu durante a campanha em relação à prevenção e ao combate da corrupção. A CGU não pode perder força", disse o analista de finanças e controle do órgão Fábio Felix, um dos organizadores da manifestação, 

Em um dos cenários estudados pela presidente Dilma Rousseff, as atribuições da CGU seriam transferidas para outros ministérios, como o da Casa Civil e o da Justiça. Em nota, os organizadores do ato afirmaram que causa indignação a possibilidade de o órgão ficar subordinado a pastas cujos "principais responsáveis estão envolvidos e respondem processos por atos de corrupção e desvio de dinheiro público".

Na semana passada, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu abrir um inquérito contra o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, para apurar a suspeita de caixa 2 em sua campanha ao governo de São Paulo em 2010.

Nesta segunda, chefes das representações estaduais da CGU ameaçaram entregar os cargos caso a mudança se concretize. Entre as preocupações dos servidores está a de que a perda do status de ministério traga dificuldades para fechar os acordos de leniência da Lava Jato, uma vez que hoje cabe a CGU celebrá-los.

A assessoria da CGU diz que aguarda o anúncio oficial da reforma ministerial esta semana e que órgão ainda não foi informado a respeito de nenhuma mudança e segue funcionando normalmente. Na semana passada, o ministro da CGU, Valdir Simão, enviou um comunicado tentando acalmar os servidores. No e-mail, ao qual o Estado teve acesso, Simão dizia que ainda não havia estava empenhado em defender a importância da manutenção do status ministério do órgão. 

Tudo o que sabemos sobre:
CGUprotestoreforma administrativa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.