Servidores aprovam greve contra reforma da Previdência

A plenária Nacional dos Servidores Públicos Federais aprovou neste sábado a convocação de uma greve da categoria por tempo indeterminado a partir de 8 de julho. A decisão foi tomada por cerca de 350 delegados sindicais, que representam 11 entidades e aproximadamente 800 mil funcionários. Apenas dois delegados se abstiveram de votar. A greve pretendida pela categoria é contra a proposta de reforma da Previdência, enviada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao Congresso. Os servidores querem que o governo retire a proposta que está tramitando na Câmara. Dirigentes da Central Única dos Trabalhadores (CUT) ligados ao presidente da entidade, Luiz Marinho, tentaram aprovar uma proposta de negociação com o governo de pontos da reforma da Previdência. Mas foram vaiados e derrotados pela plenária. "Uma greve pela retirada da reforma tem poucas chances de ser vitoriosa", disse Denise Motta, da Executiva da CUT, muito vaiada pelos delegados sindicais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.