Servidor da Funai é investigado pela Polícia Federal

O superintendente da Polícia Federal em Rondônia, Marco Aurélio Moura, disse nesta quarta-feira que foi aberto, esta semana, um inquérito para investigar o possível envolvimento do servidor da Funai Walter Blós no esquema de exploração ilegal de diamantes. "Ouvimos 100 garimpeiros que trabalhavam na reserva indígena Roosevelt e muitos deles acusaram o Blós de ter conhecimento do que acontecia na região. Mas vale ressaltar que existem apenas indícios disso. Não há nada de concreto contra o funcionário da Funai. Precisamos ainda ouvir os índios", disse Moura.Blós é o coordenador do grupo tarefa criado pela Funai no ano passado para retirar os garimpeiros da reserva onde, nas últimas três semanas, foram encontrados 29 corpos. Todos eles teriam sido vítimas de um confronto com índios na semana santa. Por meio da assessoria de imprensa, a Funai nega qualquer tipo de ação ilegal praticada pelo coordenador e afirma que o funcionário está de férias.Cerca de 120 pessoas estão indiciadas por suspeita de envolvimento no esquema de extração e venda ilegal do minério. Entre elas, empresários, índios, garimpeiros, funcionários da Funai e agentes da Polícia Federal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.