Serviço Secreto dos EUA quer abrir escritório em SP

O adido de imprensa da Embaixada dos Estados Unidos no Brasil, Terry Davidson, esclareceu hoje que o US Secret Service (Serviço Secreto dos EUA) é que deseja abrir um escritório no Brasil e não a Agência Central de Informações (CIA). Ao contrário do que foi noticiado ontem, a CIA já tem um escritório no Brasil e seu trabalho tem natureza diversa daquele realizado pelo US Secret Service. Segundo Davidson, este serviço, criado em 1865 após o assassinato do presidente norte-americano Abraham Lincoln, dedica-se exclusivamente à segurança dos presidentes americanos e à luta contra a lavagem e falsificação de dinheiro.E é com este segundo objetivo - lavagem e falsificação de dinheiro - que pretende abrir escritório em São Paulo, segunda cidade latino-americana a contar com o serviço. Davidson esclareceu que as negociações em torno da abertura do escritório são antigas e não têm nada a ver com os atentados terroristas do último dia 11 ao World Trade Center, em Nova York, e ao Pentágono, em Washington. Segundo ele, essas negociações já estão em fase adiantada e, agora, a abertura do escritório só depende de um pronunciamento favorável do governo brasileiro. O adido de imprensa fez questão de deixar claro que a escolha de São Paulo para abrigar o escritório do US Secret Service tem relação com a natureza dos crimes que ela investiga. "São Paulo é um centro financeiro e industrial e, nesse contexto, é mais importante do que Brasília", disse ele, lembrando que os agentes do serviço não terão poder de polícia. Aqui no Brasil, o US Secret Service trabalhará em cooperação com o Banco Central, a Polícia Federal e o Conselho de Atividades Financeiras (Coaf), ligado à Receita Federal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.